terça-feira, 30 de maio de 2017

EBM FERNANDO MACHADO

Caça aos microrganismos

Os alunos do 3º ano da EBM Fernando Machado, orientados pelas Professoras Lenir Martelli Tecchio e Ana Paula Bassani, fizeram uma “caça aos microrganismos” durante a aula de ciências.

Após terem estudado o conteúdo: Higiene e Saúde fizeram a experiência para constatar a presença dos microrganismos em nosso corpo e no meio que vivemos.

Microrganismo é o nome dado a todos os organismos que não podem ser vistos a olho nu, sendo visíveis apenas com o auxílio de um microscópio, como, por exemplo, bactérias e fungos.

Para esta atividade foram utilizadas placas de Petri, com uma substância gelatinosa chamada ágar (substância que propicia o desenvolvimento dos microrganismos).

Primeiramente foi revisado o conteúdo e explicado sobre como seria desenvolvida a atividade. Em seguida, os alunos realizaram a coleta do material com cotonetes, nos seguintes locais: mão, língua, saliva, pés, caderno, estojo, maçaneta da porta, mesa do refeitório, pia do banheiro, dinheiro, computador e óculos.

As placas ficaram guardadas em local fechado e escuro por oito dias, sendo que após esse período, os alunos puderam visualizar e analisar os microrganismos desenvolvidos.















CEM MEDIAÇÃO


JOGO DA VELHA HUMANO


Alunos: 4º ano I, 4ª ano II, 5º ano I e 5º ano II
Disciplina: Educação Física
Professora: Ana Paula Breancini


OBJETIVO: Promover a socialização entre os integrantes do grupo.

O QUE O ALUNO PODERÁ APRENDER COM ESTA AULA
  • Novos conhecimentos a respeito do jogo de passatempo popular: o jogo da velha.
  • Novas formas de brincar de jogo da velha, encenando os movimentos do jogo, interagindo com os colegas, com o espaço e com os materiais.
  • Aprender a coordenar diferentes movimentos com o corpo, buscando encontrar novas estratégias de jogo.


COMO JOGAR
O princípio é o mesmo do jogo clássico, fechar uma linha com 3 campos, no entanto, cada oponente utiliza uma cor e só possui 3 peças, ou seja, colocando a terceira no tabuleiro a quarta será uma das três recolocadas. Para deixar ainda mais interessante, existe uma dinâmica onde os jogadores precisam correr para colocar sua cor no tabuleiro.













EM BENTO GONÇALVES

Horário Ampliado
Coordenador: Jean Marcos Detofeno Tonello

Momento de integração

            O horário do almoço também é hora para aprender. Os alunos da rede municipal de Cordilheira Alta, no dia do horário ampliado, permanecem na escola em período integral. Assim, após o almoço, os alunos desenvolvem atividades diferenciadas orientadas pela coordenação.

            As atividades são dirigidas e sequenciadas por um cronograma, na EM Bento Gonçalves por exemplo, no dia de “Jogos de Tabuleiro”, os alunos aproveitaram o clima agradável e o gramado da escola para jogar e brincar. 












CEM MEDIAÇÃO


LINGUAGEM MUSICAL


Turma: Berçário I - Vespertino
Professoras: Aline, Patricia e Juliane.

A música é uma área de conhecimento, uma forma de comunicação, através da qual o indivíduo vai dispor de meios para expressar-se. É considerada uma linguagem feita de ritmos e sons, capaz de despertar sentimentos. A música está relacionada ao movimento.

As crianças do Berçário I estão sendo incentivadas a conhecer a linguagem musical.





terça-feira, 23 de maio de 2017

EM BENTO GONÇALVES

IOIÔ
No dia 17 de maio esteve em nossa escola o campeão Paulista da Associação Brasileira de Ioiô (ABI) Helton da Silva Lima.
Helton, além de demonstração de manobras, também conversou com as crianças sobre a presença do ioiô como brinquedo tradicional em diversas culturas, assim como a sua prática como esporte.
A prática desse esporte além da competição também desenvolve habilidades como concentração, coordenação motora, agilidade nos reflexos e criatividade.
A seguir um pouco da história desse brinquedo ao longo dos tempos.

História do Ioiô
O ioiô é um dos brinquedos mais antigo do mundo. A história desse simples objeto é tão fascinante quanto seu funcionamento. 

A origem do ioiô é um mistério. Grécia, China, Filipinas. Diversos lugares do mundo podem ter sido o berço do ioiô. "Ioiôs" rústicos de barro e de metal já foram encontrados em ruínas gregas de cerca de 2500 anos. Brinquedos similares eram usados pelos chineses antes disso.

No fim da idade média o ioiô chegou à Europa, onde a nobreza da França e Inglaterra usava o ioiô para relaxar e se afastar um pouco das suas tarefas. 
O ioiô, na sua forma atual, nasceu nas Filipinas, onde é até hoje um brinquedo muito popular.

Os ioiôs atuais empregam tecnologia de ponta, a madeira e plástico usados há décadas foram substituídos por novos materiais, como aço, alumínio e policarbonato.

Os truques e manobras acompanharam essa evolução e o ioiô agora é praticado com seriedade em muitos países. A destreza e habilidade dos melhores jogadores chegam a ser equiparadas àquelas dos grandes malabaristas.

O Ioiô no Brasil

O ioiô no Brasil, assim como em inúmeros outros países, teve períodos de "febre", onde o brinquedo se tornou mania entre jovens e crianças. As maiores dessas promoções, impulsionadas pelos ioiôs Coca-Cola/Russell, ocorreram em 1982 e 1995.

Em 2002 foi fundada a Associação Brasileira de Ioiô, que passou a ser responsável pela organização de campeonatos no Brasil.


Fonte: http://www.ioiobrasil.org





segunda-feira, 22 de maio de 2017

EM BENTO GONÇALVES


Valorizando a diferenças.

Ser diferente é normal.


O respeito à diversidade deve ser uma constante trabalho na educação infantil, porque as crianças desde cedo devem aprender a lidar com as diferenças e não ter preconceitos. O tema foi escolhido, pois possibilita trabalhar as diferenças na construção da identidade das crianças. Desde muito cedo as crianças têm contato com discursos negativos relacionados ao preconceito, rótulos e discriminação. 

Ninguém é igual a ninguém. Cada um foi gerado e desenvolvido por meio de uma fórmula única, que nunca poderá ser copiada e somente valorizada, por aquilo que tem de melhor. Ser diferente e único é uma característica de todo ser humano. Saber reconhecer o que há de único e característico em cada educando, é fundamental para que se possa ajudá-lo a desenvolver-se plenamente. Esse é o real valor das diferenças.

Foi pensando nisso que as professoras Morgane e Roberta resolveram trabalhar este tema. A música “Ninguém é igual a ninguém”, serviu para introduzir o assunto.

Depois de explorado a música, cada criança iniciou a confecção de um boneco. Os bonecos eram de várias cores. A finalização do boneco aconteceu em casa com a colaboração da família.

No dia determinado o boneco voltou para a escola. As crianças ficaram muito entusiasmadas e felizes em apresentar seu boneco para a turma.

Dando continuidade ao trabalho, cada criança na roda de conversas falou quem ajudou na confecção e escolheu um nome para o boneco. Pra encerrar o trabalho os bonecos foram utilizados na apresentação do Dia da Família na Escola.

 

 
 
 








 




 




 


 



EM BENTO GONÇALVES ENSINO FUNDAMENTAL Diretora: Patricia Briancini Coordenadora: Ivete A. Piaia  Professora: Morgane Briancin...